Senhor Prendado
Senhor Prendado, por Júlio Moreno
João Baptista da Costa Aguiar é um sujeito de cabeça e mãos privilegiadas. Artista gráfico de primeira grandeza, ele é autor de centenas de capas de livros, logotipos, cartazes e projetos editoriais. Os mesmos predicados ele demonstra em seu hobby: a cozinha. Uma cozinha simples e prazerosa, como ressalta ele, auto-denominado Senhor Prendado.

Generoso, em 2006 ele criou um site (www.senhorprendado.com.br), onde compartilha receitas cotidianas, como a lasanha, e tradicionais, como bacalhau grelhado com batatas ao murro. Todas acompanhadas de fotos que mostram, passo a passo, o preparo de cada prato até ser levado à mesa. As fotos são feitas sempre com a luz diurna, mostrando a verdade dos pratos, em geral o almoço do artista, pausa lúdica e necessária a interromper o dia de árduo trabalho.

Essa mesma fórmula é seguida no livro Senhor Prendado que o JB como os amigos o chamam lança agora, pela editora LeYa. São 400 páginas com 112 receitas e 843 fotos.

Excelente presente para o Dia dos Pais nessa época em que cada vez mais os homens curtem se envolver com forno & fogão, aprender gastronomia, comprar panelas & facas e até inventar cardápios. O lançamento será no Jacaré Grill (rua Harmonia 305/317, Vila Madalena, em São Paulo), dia 2 de agosto, a partir das 19h30.

Quem for, irá se simpatizar com JB à primeira vista. Corpo meio cheinho, ele é do tipo que ainda usa suspensórios, calça clara com camisa branca, chapéu panamá e gravatinha borboleta. Figuraço!

JB é paulistano, tem 63 anos. Começou na revista Realidade, trabalhou na Revista Claudia e foi diretor de arte da Vogue-Brasil, criou um laboratório de criatividade na Unicamp, padronizou visual de frota de ônibus da cidade de São Paulo e é disputadíssimo por editoras para fazer capas e miolos de livros.

Como Senhor Prendado, seu avatar, colecionou receitas inspiradas em viagens, cadernos da família, pesquisas e dicas de amigos como Gera, Renilson, Jorge e Maria Lúcia. Ele faz questão de dizer que não tem nada contra a experimentações nem contra a haute cuisine, mas seu negócio é outro, a busca da simplicidade. Sem experimentações ou genialidades, só a cozinha que vai se refazendo sem cessar através dos tempos, modificada apenas pelo uso no dia-a-dia.

Na Itália, afirma JB, os toscanos costumam dizer que não querem um chef na sua cozinha : preferem sim a própria mamma. Dizem também que se juntarmos dez mammas toscanas para executarem simultaneamente a mesma receita típica da região Papardelle alla lepre, por exemplo teremos dez pratos diferentes, todos absurdamente maravilhosos.

O Senhor Prendado torna as receitas mais saborosas ao acrescentar pitadas de histórias sobre os pratos. Você sabia, por exemplo, que a carne-seca com abóbora nasceu no nordeste e depois virou prato gaúcho ? Rui Barbosa e Machado de Assis freqüentavam o restaurante Lamas, no Rio, muito por causa do Filé à Francesa.

Conheces o "frango e a preguiça", um prato que para ficar bom requer enorme grau de desleixo e má-vontade ? E a origem do filé à parmegiana. JB diz que ele não é nada conhecido em Parma, cidade italiana que lhe empresta o nome, e levanta a suspeita de que trata-se de uma criação da cozinha cantineira paulistana. Alguma ponta de verdade deve ter.

Tem mais, tem mais, como a torta ao revés criada pelas senhoritas Tatin, hoje um mito, a Tarte Tatin. Quer saber sua origem ? Chega de aperitivos: consulte o site ou compre o livro.

Júlio Moreno
POSTADO POR SENHOR PRENDADO 30-07-2011 01:45